SILÊNCIO, de Richelle Mead

Um provérbio chinês diz que "não importa o tamanho da montanha, ela não tapa o sol". Qual a ligação entre um provérbio chinês, que surgiu há sabe-se lá quantos anos atrás, e Silêncio, último livro de Richelle Mead lançado no Brasil? A resposta é: tudo. Por mais que não pareça, esse provérbio, que encontrei por acaso, define perfeitamente o livro. Continue lendo esta resenha que você irá descobrir o motivo!
Fei vive em um pequeno povoado no alto de montanha, que perdeu a audição há anos, sem acesso a terras férteis e dependente da parceria com o povoado ao pé da montanha para sobreviver - um sistema de cabos transporta comida em troca de minério. Fei é uma artista nata e a mais promissora para suceder o seu mestre. Mas quando sua irmã, assim como outros aldeãos, começa a perder a visão, ela se vê obrigada a tomar uma atitude: desrespeitar as leis. Ao lado de seu melhor amigo de infância e com um novo aliado - o som -, Fei inicia uma nova jornada. 
O que me chamou a atenção nesse livro foi a capa. Nesse caso, o ditado "não julgue um livro pela capa" não funcionou - estou cheia de ditados e provérbios nesse post. A capa carrega todo um ar asiático que se mantém, a todo momento, presente na história. Os personagens têm nomes chineses, leem ideogramas e as paisagens retratadas lembram facilmente o verde da China. De fato, é como estar lendo um folclore chinês. Apaixonada por Ásia como sou, é claro que isso foi um fator que fez com que eu gostasse mais ainda do livro.

A narrativa é leve e envolvente. Não há falas com travessões e Richelle Mead inova ao introduzir uma personagem principal, assim como a maior parte do corpo de personagens, surda e ainda por cima, narradora. Os personagens se comunicam entre si através da linguagem de sinais e no livro, tais conversas são representadas em itálico. A descrição do som e do que seria o mundo através dos surdos é incríveis, além de significar uma enorme representatividade - principalmente quando estamos falando de um livro voltado para o público jovem.

É claro que um pouco de romance nunca pode faltar. A relação entre Fei e Li Xei é bem meiga e obviamente, outro elemento capaz de deixar o leitor envolvido na história. No entanto, não é o romance que dita os acontecimentos e isso foi o que eu mais gostei, embora estivesse torcendo pelo casal desde o início. A autora optou por não trabalhar muito os outros personagens e embora eu ache que isso é sempre muito bem vindo - e por vezes, necessário -, em Silêncio, isso não fez falta. Pelo contrário, a autora investiu na ação, tornando a leitura mais rápida e fluída.

Minha única experiência com a escrita de Richelle Mead havia sido com o primeiro livro de sua série, Academia de Vampiros (você pode ler a resenha clicando aqui). Silêncio me surpreendeu muito mais e levou a escrita de Mead a outro nível. A história é mais interessante e envolvente. Silêncio era justamente o que eu estava precisando ler: algo leve e que me transportasse para outro mundo.

Você deve estar se perguntando o que o provérbio mencionado no início desta resenha tem a ver com o livro. Pois bem, Fei vive em uma montanha muito alta (check!). Por mais alta que seja essa montanha, ela não deixa de enfrentar uma jornada árdua em busca do que é melhor para o seu povo, em busca da luz, a caminho do sol.
Título: Silêncio
Autor(a): Richelle Mead
Editora: Galera Record
Número de páginas: 280
Nota: 5/5 

Share:

2 pessoas devoraram

  1. Sou apaixonada pela série Bloodlines dela! Já li e reli e recomendo muito!
    Não sou tão fã da cultura Asiática, talvez tenha um pouco de dificuldade para ler este livro. Porém você gostou tanto que não tem como não dar uma chance!

    Beijos
    Livro de Capa Dura

    ResponderExcluir
  2. Oiii Rebeca

    Não gostei da série anterior da autora, acho que Vampiros não são exatamente o meu tipo já que não tive boas experiências em nenhuma leitura sobre vampiros.
    Esse livro da Richelle eu já tenho pendente e espero muito gostar desse livro, tb amo diferentes culturas e realmente esse ar asiático do livro foi o que mais me chamou a atenção tb.
    Ótima resenha

    Beijos

    unbloglitteraire.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir