Embora eu seja apaixonada por quase tudo que envolva Japão, admito que não foi o "japonês" ali do título que me deixou com vontade de ler esse livro. Foi a capa que, apesar de simples, já considero uma das mais bonitas de minha estante. Não sabia muito sobre a história, exceto que tinha relação com a 2ª Guerra Mundial e pronto, isso foi o suficiente para saber que eu definitivamente precisava ler esse livro. Esse é o primeiro romance histórico que li, mas sempre gostei muito de filmes que abordassem a temática de 2ª Guerra. 

Em 1939, ano da ocupação da Polônia pelos nazistas, Alma Mendel, de oito anos, é enviada pelos pais para viver em segurança com os tios em São Francisco. Lá, ela conhece Ichimei Fukuda, filho do jardineiro japonês da família. Despercebido por todos ao redor, um caso de amor começa a florescer. Depois do ataque de Pearl Harbor, no entanto, os dois são cruelmente separados. Décadas depois, presentes e cartas misteriosas são descobertas trazendo à tona uma paixão secreta que pendurou por quase setenta anos. 

Trata-se de um romance maduro e envolvente, bem diferente dos romances adolescentes que estou acostumada a ler e isso, em momento algum, foi ruim. O bom da literatura é que podemos encontrar de tudo nela e diversificar sempre que possível. Um amante japonês foi uma ótima escolha. Além de ser um ótimo livro, é uma leitura que enriquece com seus fatos históricos. 

Tanto Alma quanto Irina, sua "assistente", são personagens fortes e bem trabalhados, os mistérios que envolvem cada uma vão se desdobrando com o passar dos capítulos e deixando o leitor cada vez mais curioso. Embora a história pareça ter somente uma protagonista, eu diria que na verdade são duas: Alma e Irina. A participação de Ichimei, entre cartas e lembranças de Alma, é outro ponto muito bem trabalho e escrito. As cartas enviadas por Ichimei espalhadas pelo livro são de uma delicadeza sem igual. Sua presença na história, mesmo que importante, pode passar despercebida - como o próprio jeito do personagem - em meio a tantas personalidades fortes.  
- Há muita gente boa, Irina, mas é discreta. Os maus, em contra-posição, fazem muito ruído, por isso são mais notados. 
O livro tem um ritmo tranquilo e é narrada da mesma forma, sem altos e baixos. A única coisa que me decepcionou foi o final, criei grandes expectativas tendo em vista que se tratava de uma história bem intensa, mas acabei me deparando com um final fraco. Bonito, mas fraco. 

É a primeira vez que ouço falar no nome de Isabel Allende e não faço ideia de como não a conheci antes! Allende é um dos grandes nomes da literatura latinoamericana -  e eu adoro cultura latina, então fica ainda mais difícil não gostar. Aliás, se o sobrenome da autora lhe soa familiar, saibam que a mesma é sobrinha de Salvador Allende, ex-presidente do Chile. 
Ichimei e ela se empanturraram de amor para consumi-lo por inteiro, porém quanto mais tentavam esgotá-lo, mais imprudente era o desejo, e quem disser que mais cedo ou mais tarde todo fogo se apaga sozinho está enganado: há paixões que são incêndios até que o destino, de súbito, as afogue. 
Sem sombra de duvidas, Um amante japonês entrou para a lista das melhores leituras do ano. Preciso dizer mais? Recomendo, recomendo e recomendo! 

Título: Um amante japonês
Autor(a): Isabel Allende
Número de páginas: 290
Editora: Bertrand Brasil
Nota do Como Devorar Livros: 4/5

6 Comentários

  1. Oiii Rebecca

    Da Isabel Allende só li A Casa dos Espíritos, há muito tempo e me lembro que foi um livro ótimo (aliás, tem o filme dele também). Essa autora é super famosa e querida e acho que é umad as maiores referências da América Latina junto com o Paulo Coelho. Achei esse livro super interessante, toda a temática da 2 Guerra Mundial também me encanta

    Beijokas

    naprateleiradealice.blogspot.com.ar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Alice!
      Já ouvi falar desse filme, mas não assisti. :P

      Excluir
  2. Olá! Nossa, adorei essa passagem "Os maus, em contra-posição, fazem muito ruído"! Fiquei curiosa em relação a escrita da autora, que nunca li, mas parece ser uma história profunda, reflexiva... Um nome pra guardarmos numa lishlist mesmo :)

    Beijos,
    Rebeca

    http://blogpapelpapel.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Também adorei essa passagem, por isso coloquei aqui. <3
      Acrescente esse livro a sua wishlist sim, é muito bom!

      Excluir
  3. Oi, tudo bem?
    Não conhecia "Um amante japonês" e confesso que o livro não me cativou muito. Apesar de já ter lido alguns livros que entraram na temática da 2ª Guerra Mundial, não curto muito este tipo de narrativa.

    Abraço!
    http://tudoonlinevirtual.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sávio! Uma pena que o livro não tenha te interessado =/

      Excluir