Resenha Dupla: Teus pés toco na sombra e outros poemas inéditos (Pablo Neruda) & O Mapa de Vidro (S.E. Grove)

Imaginem minha reação quando percebo que Teus pés toco na sombra e O Mapa de Vidro não haviam sido resenhados ainda! Terminei os livros durante meu período de sumiço e nessa vibe de "mudanças no blog", acabei me esquecendo de publicá-las! Então, sem mais delongas, vamos as resenhas antes que este post fique longo demais! 


Teus pés toco na sombra e outros poemas inéditos (Pablo Neruda)

Número de páginas: 143
Editora: José Olympio
Nota do Como Devorar Livros: 3/5 

Pablo Neruda é um dos maiores nomes da poesia e eu, admiradora de uma boa poesia que sou, não poderia ficar sem esse livro, com poemas inéditos, na minha estante. Teus pés toco na sombra me chamou a atenção desde que me deparei com o título pela primeira vez. Ao meu ver, o título em si já é pura poesia - se somente toco teus pés na sombra, é porque não sou capaz de tocá-lo de verdade. Neruda é genial, não é mesmo? 

A edição do livro está incrível. Apesar de bem curtinho, conta com fotos dos manuscritos (palmas se você conseguir decifrar a letra quase de médico de Neruda!), além de ser bilíngue! Ou seja, ótima dica para você que está aprendendo espanhol. Como acho esse idioma lindo e bem romântico, dei prioridade aos poemas em espanhol e só depois lia suas traduções. 
Teus pés toco na sombra, na luz as tuas mãos e no voo me guiam os teus olhos de águia. 
Em relação aos poemas, achei uns muito bons e outros nem tanto. Esse contraste acabou me decepcionando um pouco. Acho que fui esperando demais do livro e desanimei durante determinado momento da leitura. No geral, é um livro bom, que eu recomendaria para todo e qualquer admirador ou aspirante a poeta, pois não adianta: Neruda é Neruda. Só de ouvir seu nome, já fico com vontade de ler e tenho certeza que você também irá ficar. 


O Mapa de Vidro (S.E. Grove) 

Número de páginas: 396
Editora: Verus
Nota do Como Devorar Livros: 4/5

O Mapa de Vidro traz uma premissa inovadora e a pilha de comentários positivos só satisfaz a teoria de que a trilogia Mapmakers tem tudo para ganhar mais e mais leitores. Só essa capa já é o suficiente para deixar qualquer curioso, sem contar a diagramação do livro, que também está excelente - editora Verus está de parabéns! Quando li a sinopse, fiquei ainda mais certa de que precisava ler e aqui estou eu! 

Ela conhecia o mundo somente por meio de mapas. E não tinha ideia de que eles poderiam ser tão perigosos. Boston, 1891. Sophia Tims vem de uma família de grandes cartógrafos. Desde a Grande Ruptura em 1779, quando todos os continentes foram lançados a uma era diferente – da pré-história a um futuro distante – esses exploradores viajam e mapeiam o que é conhecido como Novo Mundo. Há oito anos, desde que seus pais não retornaram de uma missão urgente, ela vive com seu tio Shadrack, o melhor cartógrafo em Boston. A vida com seu brilhante, adorado e distraído tio, ensinou Sophia a cuidar de si mesma. Quando Shadrack é sequestrado por pessoas que estão atrás de um poderoso artefato, ela é a única que pode salvá-lo. Ao lado de Theo, um refugiado do oeste, ela embarca em uma aventura por cidades secretas e mares desconhecidos baseando-se apenas nos mapas deixados por seu tio e sua intuição. O que Sophia e Theo não sabem é que suas próprias vidas estão em perigo quando se descobrem segredos há muito enterrados. O mapa de vidro vai fazer você mergulhar em um mundo de fantasia autêntico e intrigante, com uma heroína que vai ganhar o seu coração.
Por ser tão inovador, demorei um pouco para engatar na leitura e mais de uma vez, tive que começar o livro do zero por não ter entendido direito o que havia acontecido. Logo de início, O Mapa de Vidro traz informações importantes para a história e requere muita atenção por parte do leitor. 


A personagem principal é muito bem construída e é muito fácil se sentir afeiçoado por ela. No entanto, o mesmo não acontece com os outros personagens, que acabaram por ser deixados de lado e isso me desagradou bastante, já que havia simpatizado com alguns deles. 

O mundo desenvolvido pelo autor é bem complexo, o que o torna sensacional, mas que poderia ser facilmente dividido em dois livros diferentes, devido a carga de informação e a possibilidade de aproveitar mais os personagens. Cartografia nunca foi um assunto pelo qual me interessei, mas S.E. Grove conseguiu até mesmo transformá-la em algo interessante para mim! 

Share:

4 pessoas devoraram

  1. Ameeeeeeeeeei!!!
    Fiquei curiosa para ler o segundo!!
    Não conhecia nenhum dos dois!
    Adorei seu blog, tô te seguindo!

    Beijinhos :*
    Sankas Books

    ResponderExcluir
  2. Gostei da premissa de O mapa de Vidro, o livro parece ser bom. Mas não gosto de poemas e nem de poesias :/

    Beijos,

    http://sweetlikecaramel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma pena você não gostar de poesia. D:

      Excluir