Resenha: Só você pode me ouvir - Otsuichi e Hiro Hiyohara


O ano de 2015 chegou e junto dele, vieram novas leituras. Só você pode me ouvir foi a minha primeira leitura desse ano e não se trata de um livro como costumo tratar sempre aqui no blog, mas de um mangá - revistas em quadrinho japonesas. O que me fez querer ler - fora a capa - foi o fato de ser volume único, pois não me dou muito bem colecionando mangás. Sempre quero colecionar vários, mas acabo perdendo os lançamentos e nunca mais voltando a ler. Então, essa é a primeira resenha de um mangá aqui no blog e mesmo para quem não é fanático por esse tipo de leitura, devia dar uma checada na história. 

O mangá conta a história da isolada garota Ryo Aihara, que é a única de sua classe que não tem um celular. Ela decide então inventar um celular imaginário, um que exista somente em sua cabeça. No entanto, um dia, o celular imaginário acaba tocando e tem alguém do outro lado da linha. 

Inicialmente, não consegui aceitar muito bem essa ideia de celular imaginário. Me parecia muita loucura e mais louco ainda é o celular imaginário conseguir tocar. Tudo bem que ele tocou dentro da cabeça da personagem, mas ainda sim, não conseguia aceitar muito bem essa ideia. Parei a leitura por alguns minutos para depois retomá-la e foi quando aceitei a ideia do celular imaginário, afinal, a história estava tentando chegar a algum lugar. Então, a dica para quem quiser ler é: desvincule-se do óbvio. Desapega, desapega! 


A história é linda, tão linda quanto seus traços de desenho - um fator que considero essencial. O celular imaginário gera um laço de amizade e Ryo acaba realizando o seu desejo de ser ouvida por alguém, e ela é ouvida por Shinya Nozaki, um personagem que achei incrível em todos os sentidos. Shinya conseguiu me conquistar mais do que a própria Ryo, a personagem principal da história. Shinya parecia carregar um mistério desde o primeiro momento em que deu as caras, o que acabou me intrigando bastante. 

Mas serei sincera: tem drama e é triste. Japoneses sabem fazer um drama tão bem quanto mexicanos. Como gosto das produções de ambos, já estou mais do que acostumada. Porém, é aquele drama belo, que carrega consigo uma mensagem que deve ser notada. O final trás grande revelações e trata-se da típica história que quando você acha que está tudo indo bem, na verdade, não podia estar pior. 


Tratando-se da editora JBC, que vem lançando títulos maravilhosos em nossas terras, o mangá começa com algumas páginas coloridas que, para mim, são sempre muito bem vindas apesar de encarecerem o preço do mangá. 

Só você pode me ouvir é uma história tocante, carregada de uma intensidade sentimental e atemporal. Com traços de desenho que parecem fazer os sentimentos pularem da página e chegarem até o leitor, que após terminar de ler, talvez sinta a vontade de ser ouvido também. 

Título: Só você pode me ouvir
Autores: Otsuichi (história original) e Hiro Hiyohara (desenho)
Número de páginas: 195
Editora: JBC
Nota do Como Devorar Livros: 5/5

Share:

4 pessoas devoraram

  1. Que linda resenha :)
    Quero modificar um pouco minhas leituras esse ano... ler mais mangás e HQ's e gostei bastante da proposta desse.
    Apesar de achar algumas histórias meio diferentes do que estou acostumada, vou me esforçar para ler mais mangás.
    Beijos e boas leituras!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo elogio, Patricia! :)
      Somos duas então, estou querendo muuuuito ler mais HQs e mangás este ano, espero conseguir e falar mais sobre eles aqui no blog.
      Leia sim, super recomendo!

      Excluir
  2. Poxa, faz tempo que quero ler um mangá, mas nunca me animo a começar uma série. Adorei o fato de esse ser um volume único e, pela resenha, parece muito bom. Também gosto muito do estilo de dramas japoneses!
    www.blogsemserifa.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que me desanima ao começar uma série é que raramente consigo acompanhar até o volume final. Eu realmente recomendo este mangá, além de ser volume único!

      Excluir