Resenha: Alice - Lewis Carroll

Título: Alice - Aventuras de Alice no País das Maravilhas & Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá
Autor: Lewis Carroll
Número de páginas: 235
Editora: Zahar
Nota do Como Devorar Livros: 5/5

"- Podes dizer-me, por favor, que caminho devo seguir? 
- Isso depende muito de para onde queres ir - respondeu o gato.
- Preocupa-me pouco aonde ir - disse Alice. 
- Nesse caso, pouco importa o caminho que sigas - replicou o gato."

Dificilmente se encontrará alguém que não conheça a pequena Alice, a garotinha de cabelos loiros que teve a sorte de visitar o País das Maravilhas, lugar que qualquer um já quis conhecer em sua infância, certo? Quando pequena, sempre preferi as histórias com príncipes e princesas, palácios e sapatinhos de cristal, ao invés de Alice e outros contos de fadas. No entanto, desde o ano passado, me sentia interessada em ler o original de Alice e por sorte, ganhei recentemente de aniversário (valeu, Marina!). 

Você gosta de coisas sem sentido, sem pé nem cabeça? Pois então, Alice é o livro certo para você. Não procure por sentido ou explicações, deixe tudo de lado, só ative seu irracional. 

Desvincule-se da imagem criada pelo filme da Disney. Este, juntou os dois livros de Carroll - Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá - em um único filme. Eu não fazia ideia alguma desta junção até começar a ler o livro e devorá-lo em poucos dias. O mundo criado por Carroll, ou melhor, o mundo de Alice, é tão mágico (e eu adoro tanto essa palavra que poderia usá-la para descrever o livro inteiro) que não pude deixar de sentir aquela pequena nostalgia, uma enorme vontade, originada na infância, de também querer conhecer o País das Maravilhas, que realmente só tem maravilhas! Maravilhas e gente louca! Mas louco é bom, como diria o Gato de Chesire. 

Engana-se quem pensar que, por ser tratar de um clássico, a linguagem do livro é difícil de se entender. As duas histórias são curtas, contribuindo para a narrativa fácil e gostosa de se ler, que vai fluindo cada vez melhor ao decorrer do livro. Repleto de diálogos engraçados entre os personagens, Alice também entra na lista de livros infantis cuja mensagem pode - e deve - chegar aos adultos. Muitos dos diálogos não fariam sentido para uma criança, mas para um adulto, seriam mais do que simples questionamentos. 

Os personagens são mágicos (repetindo novamente esta palavra porque não existe adjetivo melhor) e envolventes, desde o Coelho (que fala!) ao pobre Chapeleiro Louco (meu personagem favorito) e sua hora do chá. Tão envolventes que, assim como Alice, o leitor chega a querer discutir com eles, questionar toda as suas loucuras. Mas não questione que aí piora! 

A edição de Alice que ganhei é da editora Zahar, que lançou uma coleção muitíssimo bem feita chamada Bolso de Luxo, que consta com diversos clássicos da literatura mundial - como Os Três Mosqueteiros, O Corcunda de Notre-Dame, Peter Pan, entre outros. O livro consta com ilustrações originais de John Tenniel e uma tradução recebedora do prêmio Jabuti. De tão bem feita e linda que esta edição é, dá vontade de guardar em um baú com sete chaves só para o livro não ficar empoeirado ou as páginas não amarelarem. Já estou até de olho em outras edições desta coleção! 

Para terminar a resenha, repito o que já disse anteriormente: Alice é mágico. Mágico, mágico, mágico, mágico demais! Mas não se engane, mágico é bom!

Share:

1 pessoas devoraram

  1. Um livro Clássico com uma história muito bem escrita e com pitadas de filosofia.
    Gostei da sua resenha.

    luizcezarescritor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir